Nenhuma vacina causa autismo: saiba como surgiu essa mentira

Para esse assunto, é importante ser direto e bem claro. Não existe vacina que cause autismo. 

Embora isso já seja claro para toda a comunidade científica, infelizmente a mentira envolvendo a correlação entre a vacina Tríplice Viral dada na primeira infância e o desenvolvimento do autismo volta e meia é usada como argumento para grupos antivacina.

A irresponsabilidade de quem dissemina essas informações é extremamente preocupante. Não só pelo aspecto óbvio de colocar em risco as vidas das crianças -- além de toda a comunidade ao redor, que corre o risco de se tornar suscetível às doenças que poderiam ser (ou até já foram) extintas -- mas também porque abre a porta para uma nova onda de desinformação e preconceitos envolvendo o autismo.

Mas de onde surgiu essa desinformação? Qual a origem desse boato?

Bem, precisamos voltar à 1998, quando o então gastroenterologista Andrew Wakefield e seus colegas de estudo levantaram a possibilidade de um "vínculo causal" desses problemas com a vacina MMR, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba e que havia sido aplicada em 11 das crianças estudadas. O resultado da pesquisa preliminar foi publicada na conceituada revista Lancet.

A hipótese levantada por Wakefield era de que as vacinas poderiam causar problemas gastrointestinais, os quais levariam a uma inflamação no cérebro - e talvez ao autismo. 

Institutos de saúde de toda a Europa se debruçaram sobre a pesquisa de Wakefield, com o objetivo de tentar encontrar essa relação, resultando em dezenas de publicações científicas sobre o tema, uma vez que o descobrimento disso poderia mudar completamente a forma de combate à essas doenças. Entretanto, nenhum indício foi encontrado. 

Em 2004, a mentira do ex-médico começou a ser descoberta. Uma série de reportagens, revelou que Wakefield havia constantemente fraudado os dados dos testes para tentar provar que a vacina MMR estava ligada ao surgimento de sintomas do autismo. 

Por trás das fraudes nas pesquisas estava o próprio interesse. Em 1998, Wakefield havia feito um pedido de patente para uma vacina contra o sarampo que concorreria com a MMR. A manipulação dos dados e o falso alarme fazia parte de uma estratégia de difamação da vacina concorrente, para abrir espaço para a venda do seu próprio método de imunização

A mentira do charlatão ficou ainda mais evidente depois que o médico que auxiliou veio a público confirmar que era mentira a alegação de Wakefield de que teriam sido encontrados vestígios do vírus do sarampo nas 12 crianças pesquisadas. Segundo o médico, o vírus não havia sido encontrado em nenhuma delas - e que Wakefield ignorou essa informação para não prejudicar o estudo. 

Em 2010, a Revista Lancet revogou o estudo, pouco depois que o conselho médico do Reino Unido cassou a licença do ex-médico. O conselho afirmou que o médico atuou de maneira "desonesta, enganosa e irresponsável".

Infelizmente, o estrago estava mais do que feito. Grupos anti-vacina, anti-ciência e conspiracionistas de toda sorte já haviam se organizado ao redor da teoria fraudulenta de Wakefield. Este último, por sua vez, fez questão de fomentar a própria mentira, participando ativamente de protestos e escrevendo livros auto-elogiosos sobre sua pesquisa falsa.

Em 2014 uma meta-análise de dez estudos envolvendo mais de 1,2 milhão de crianças reafirmou que as vacinas não causam autismo. No mínimo, a imunização foi associada à diminuição do risco de crianças desenvolverem autismo, uma possibilidade que é mais forte com a vacina contra sarampo-caxumba-rubéola.

Em 2019, um estudo de escala inédita realizado pelo Instituto Serum Statens e publicado na edição de março de 2019 da revista Annals of Internal Medicine reforçou que a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) não aumenta a probabilidade de desenvolvimento de transtornos do espectro do autismo (TEA). Colaboraram com o trabalho as universidades de Copenhagen, na Dinamarca, e Stanford, nos Estados Unidos.   

Na Casulo Comportamento e Saúde levamos a ciência muito a sério. Tanto, que trabalhamos apenas com evidências científicas.

Diga não ao charlatanismo e às Fake News. E lembre-se de vacinar-se e vacinar sua criança, seguindo as recomendações de agências nacionais e internacionais de controle epidemiológicos.
 

siga-nos:
Contato
(27) 99888-8014

casulo.consultas@gmail.com

Av. Rui Barbosa, n° 1.250, Colina - próximo a loja Zamani • Linhares