Estudo indica que Crianças autistas podem ter problemas para prever movimentos. O que isso pode significar?

Crianças autistas têm mais dificuldade para pegar uma bola do que crianças não autistas, possivelmente porque são menos capazes de prever sua trajetória, de acordo com um novo estudo inédito, apresentado no evento 2021 Society for Neuroscience Global Connectome.

Os resultados se alinham com a teoria de "codificação preditiva" do autismo, que propõe que uma incapacidade de prever o que vem a seguir - seja o caminho que a bola vai percorrer ou como outra pessoa pode responder a um gesto - está subjacente aos traços centrais do autismo.

Se a teoria for verdadeira, intervenções comportamentais que treinam pessoas autistas na previsão motora podem aumentar suas habilidades preditivas em ambientes sociais e outros também, disse Dagmar Sternad, professora de biologia da Northeastern University em Boston, Massachusetts, que co-liderou o trabalho.

Os pesquisadores primeiro mostraram que as crianças autistas pegam uma bola com muito menos frequência do que as crianças não autistas, independentemente da velocidade da bola. Eles então rastrearam como as mãos das crianças se moviam em direção ao objeto que entrava.

Em crianças sem autismo, a velocidade da mão diminui um pouco antes de fazer contato com a bola, disse Sabrina Bond, uma estudante de graduação no laboratório de Sternad que trabalhou no estudo. Isso sugere que eles preveem com precisão a trajetória da bola e a interceptam com um impacto suave. Em vez disso, crianças autistas aceleram em direção à bola, descobriram os pesquisadores.

“Eles não têm certeza de onde a bola vai cair antes de chegar lá, então meio que lançam as mãos em direção à bola”, disse Bond. Mais frequentemente, suas mãos colidem com a bola, o que talvez explique sua pior habilidade de pega.

A ativação muscular no tronco e nos braços das crianças mostrou o mesmo padrão: crianças neurotípicos ativam seus músculos com mais força 500 milissegundos antes de fazer contato com a bola, mas as crianças com TEA o fazem bem quando a alcançam - como se não pudessem prever quando a bola está chegando.

Por que isso é importante?

Os pesquisadores agora estão conduzindo estudos que investigam previsões em tarefas mais cotidianas e investigam se as pessoas que têm desafios com algumas tarefas relacionadas a previsões também têm desafios com outras. Eles também estão desenvolvendo uma pesquisa para permitir que as pessoas relatem suas experiências com a previsão em atividades cotidianas.

Alguns estudos mostraram diferenças consistentes em pessoas com autismo: mediram a rapidez e a eficácia com que as pessoas aprendem que um evento prediz outro ou a rapidez com que o cérebro se acostuma a um estímulo. Mas os pesquisadores também encontraram estudos em que era difícil distinguir se os efeitos eram devidos a diferenças na previsão ou diferenças nos processos que desempenham um papel na previsão, como na atenção ou em aspectos da cognição.

“Seria muito bom poder ver conexões mais claras entre a previsão na vida cotidiana e as previsões nessas tarefas muito circunscritas”, disse Jonathan Cannon, um pesquisador de pós-doutorado no laboratório de Sinha que também participou do trabalho.

Fonte: Texto traduzido de Spectrum News
 

siga-nos:
Contato
(27) 99888-8014

casulo.consultas@gmail.com

Av. Rui Barbosa, n° 1.250, Colina - próximo a loja Zamani • Linhares